Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BoaProva Blog

Blog do Prof.Perdigão. Desde 2007, notícias do BoaProva e comentários sobre educação e outros temas de relevância.

Tem lógica?

Nestas últimas semanas, tenho estado mais contrariado e estressado do que o habitual.

 

Há pouco, descobri o problema: infelizmente, estou convivendo muito com a ilógica. Agorinha, vi que foi até tema do último post...

 

O cidadão critica a corrupção, a politicagem. Mas larga o carro atrapalhando o fluxo, apropriando-se do espaço público, faz conchavos no serviço... Entre outras coisas.

 

O sujeito fala e acredita que é bom moço, mente aberta... Mas explora o trabalho dos incautos, é incapaz de fazer autocrítica... "...Não faça o que eu faço!"

 

O bicicleteiro riquinho da vizinhança faz cara de ético para dizer que não vê graça no humorista crítico. Óbvio. Engraçado, mesmo, é terminar porcamente o serviço em prazo cinco vezes maior que o pactuado na cara de pau.

 

O servidor diz achar que o serviço público deve ser feito para contribuir com a sociedade, mas se submete ao consenso de só olhar para o próprio umbigo e desvalorizar o que tenta fugir do deletério padrão. Até tu?

 

E o grupinho dos autodenominados "diferentes", que conspiram igualzinho aos "iguais", num jogo de perde-perde? Eu não tenho mais paciência.

 

Escreveu, devidamente balizado pela ciência, o filósofo Hélio Schwartsman: "Se há algo que nós, seres humanos, conseguimos fazer bem, é ir reprocessando mentalmente ideias incompatíveis até que elas deixem de causar dissonância cognitiva, isto é, que deixemos de senti-las como uma ameaça à lógica."

 

Se eu for ilógico, denuncie. Ajude-me a sair desta lista funesta.

 

P.S.: Um texto recente poderia dar alguma esperança. Está aqui. O problema é disseminar uma cultura científica com tanta facilidade humana para aceitar atentados à lógica.

 

Ilógica à paulistana

A prefeitura de São Paulo quer incentivar a separação entre lixo seco e orgânico forçando os supermercados a fornecer sacolinhas em duas cores diferentes, e multando quem colocar, por exemplo, papel higiênico na sacolinha de recicláveis.

 

Que o brasileiro só é educado quando a lei pune, já é sabido. Na própria cidade de São Paulo, nos tempos de Maluf, a polêmica foi a obrigatoriedade do uso do cinto de segurança. Coisa que nem se discute hoje.

 

Eu entendo a intenção da prefeitura paulistana, e espero que isso dê certo. As cooperativas de recicláveis do Distrito Federal dizem conviver com um teor de 40% de lixo orgânico no total de resíduos que recebem. Ninguém merece.

 

O que é completamente ilógico é a escolha da cor das sacolas. Mesmo que isso seja um padrão internacional, importamos uma idiotice que tende a atrasar a criação do bom hábito.

 

O metal, que é cinza, deve-se colocar na sacola verde. O resto de vegetal, que é verde, deve ir para a sacola cinza.

 

Pode ser um desejo de aplicar a multa visando a arrecadação.

 

Pode ser só imbecilidade em estado puro.

 

Relações Internacionais e mais

Firma-se acordo entre potências mundiais e Irã sobre o enriquecimento de urânio.

 

Trata-se de acordo que poderia ter saído muito antes, em 2010, com quantidades muito mais baixas de urânio e mais garantias.

 

Pena que não levaram o Brasil a sério.

 

Isso é tema de texto de Clóvis Rossi na Folha de S.Paulo de hoje.

 

Concordando integralmente com a opinião de quem esteve lá, à frente da negociação.

 

Celso Amorim contou um pouco dos bastidores dos diálogos entre Irã, Turquia e Brasil há duas semanas, em palestra para alunos de Relações Internacionais da UnB.

 

E fez crer que o Irã joga duro, mas joga limpo.

 

Afinal, salvo engano meu, foi o próprio Celso Amorim quem lembrou que ter uma única arma nuclear é um risco maior que não ter nenhuma.

 

O risco de ser aniquilado, sem chance de defesa, após um ataque, é total. Ataque que só pode fazer quem tem a arma.

 

Diplomacia cai bem. Cada vez melhor.

 

Por falar em Relações Internacionais, ou RI, acaba de ir ao ar a edição semestral de Cultura Secular.

 

Além de RI, falo sobre os primeiros anos do Masp.

 

Boa leitura!

 

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

subscrever feeds