Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BoaProva Blog

Blog do Prof.Perdigão. Desde 2007, notícias do BoaProva e comentários sobre educação e outros temas de relevância.

Mais sobre Enem e Sisu

A acrescentar/corrigir:

 

1) A UnB é elite entre as universidades no Sisu. Das poucas que dão pouco peso à redação. Das poucas que não se arriscam a colocar para dentro o picareta da receita de miojo no lugar do bom aluno. Na Medicina da UFRJ, por exemplo, o peso da redação é 1/3. Entram os candidatos que deram a sorte de cair com dupla de corretores generosos. A ideia de meritocracia passa longe, bem longe. Ainda bem que o Sisu é nacional. Não deu sorte na loteria da UFRJ? Traz a nota para a UnB.

 

2) O gostinho da aprovação é vinculado à lista diária, e não dinâmica. Como alguém me disse, se a lista fosse dinâmica, essa "selfie" do meu desempenho poderia ser tirada em todos os cursos do Brasil. O gostinho da aprovação diluiria. E o sistema sobrecarregaria com todos mexendo nas opções a todo instante. Além disso, depois do segundo dia, as notas de corte, pelo menos nos cursos que eu acompanhei, mudam muito pouco.

 

De volta à carteira escolar

Nestes últimos tempos, resolvi retomar alguns projetos profissionais não necessariamente ligados à minha atividade profissional atual.

 

Um deles é o de voltar a me envolver com processos de avaliação e seleção externas. Como elaborador ou apenas como participante.

 

No caso do Enem, fiz a prova.

 

Ainda se cuida pouco da qualidade das questões. Mas isso não sou só eu que digo. Até o Reynaldo Fernandes, que presidiu o Inep no governo Lula, reconhece que o conteúdo da prova está em segundo plano.

 

É na esteira desse desprezo que se chega a absurdos na prova, como entender que, se em um ponto da Terra é meio-dia e em outro são seis da tarde no mesmo instante, é porque a Terra gira, e não porque é redonda.

 

A TRI, pelo menos, ajuda a corrigir falhas nas notas derivadas desse tipo sinistro de questão.

 

O que não se resolve é a persistência na existência da redação. É cara demais para corrigir e ainda aumenta a subjetividade da nota.

 

Por sorte, as universidades têm dado pouco peso a ela. Na UnB, por exemplo, em termos absolutos, é de 1/13, embora, na verdade, seja um pouco mais porque a nota da redação acaba podendo ser maior que a das provas objetivas.

 

Por ter feito o Enem, pude acessar o Sisu. Gostei do esquema, embora ache que a determinação das notas de corte em tempo real ou, pelo menos, com maior frequência, tornaria o processo mais dinâmico.

 

A ideia de fazer o Enem online, ampliando o banco de questões e as datas de aplicação, ideia que Cid Gomes retomou recentemente, é boa. A TRI precisa ser usada na plenitude. É preciso aumentar as oportunidades de se fazer a prova e reduzir a chance de fraude. Esperemos.

 

Quanto a outros planos, gostaria de finalizar o mestrado profissional em Matemática e fazer uma quarta graduação, agora na UnB.

 

Àqueles que estão curiosos sobre minha nota no Enem, segue a prévia do resultado do Sisu.

 

0-TempBLOG.jpg

Medicina não é curso que dê para se levar junto com as tantas atividades profissionais que já tenho, então, não será minha opção final. Mas o gostinho da aprovação eu já tive.

 

Boa surpresa

Uma série de notícias de educação nestes primeiros dias do ano sugerem que ainda há esperança.

 

O lema "Pátria Educadora", do segundo mandato de Dilma, é metade muito ruim, pelo uso da palavra "Pátria", tão evocada por populistas e ditadores por aí, mas é metade muito boa, por trazer a educação para o centro das atenções.

 

Não dava um real por Cid Gomes no MEC. Mas a ideia de estabelecer por escrito um currículo mínimo é mais que necessária. É bola dentro.

 

É duro dizer isso, mas o professor médio brasileiro é muito mal formado para se dar a ele a autonomia para decidir o que e como ensinar. Aliás, esse caminho de engessar o currículo é saída adotada com sucesso, por exemplo, em Cuba. Esqueçamos a ideologia do regime. A lição cubana (e de democracias também) é a rigidez no cumprimento do currículo.

 

O temor de quererem incluir o que não deve nesse currículo mínimo (religião, sectarismo, combate à ciência, misantropia à Bolsonaro etc.), ou deixarem-no extenso demais é grande e justificado. Torçamos pelo sucesso da empreitada.

 

Por fim, a valorização do magistério é outra coisa muito boa. Aumentar o piso nacional acima da inflação é boa notícia, mas precisamos ter, também, reconhecimento da carreira docente, junto à escola, junto aos pais, aos alunos e ao governo, e suporte efetivo para a formação continuada. Se, com o aumento do piso, vierem políticas de valorização intangível do ofício docente, mais uma bola dentro.

 

Que Dilma, Cid e secretários do MEC possam levar o Brasil a um salto real de qualidade na educação.

 

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

subscrever feeds