Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BoaProva Blog

Blog do Prof.Perdigão. Desde 2007, notícias do BoaProva e comentários sobre educação e outros temas de relevância.

Fotos do XVIII SNEF e outras

Com atraso de 2 meses, a foto do pôster apresentado por nós em Vitória, na Universidade Federal do Espírito Santo, a Ufes.

 

0-TempBLOG.jpg

Se bem que a viagem não ficou só em Vitória. Em momento de lazer, o slogan BoaProva foi certeiro - foto da praia de Itaúnas, a 8 km da divisa BA-ES e a cerca de 300 km da capital capixaba. As duas fotos são da Michelle, que divide a autoria do trabalho apresentado comigo.

 

0-TempBLOG.jpg

Curta também esta foto do sítio histórico de São Mateus, no norte capixaba. Vale dizer que corremos um grande risco para tirar esta foto, mas só recebemos o conselho de não ir ao local à noite depois de termos ido... A foto é minha e pode ser usada na sua área de trabalho.

 

0-TempBLOG.jpg

 

Sobre turmas de Maio

Em São Paulo, o BoaProva não terá turma de Maio. Mas logo abriremos matrículas para o Ciclo II (espécie de Semiextensivo, com início em agosto).

 

Em São Carlos, aguardaremos até a Páscoa, e em 13 de abril abriremos matrículas para a Turma de Maio. Ainda decidiremos, mas tudo leva a definirmos a quinta-feira à tarde, das 14h às 18h, como horário dessa turma.

 

À procura de um cursinho honesto? A Folha mostrou a verdade

Saiu na Folha de S.Paulo em 29 de abril de 2005 a reportagem abaixo. Republico aqui por ser de extrema importância para quem está à procura de um cursinho honesto. Veja qual é o cursinho que mente ou distorce os fatos. Depois diga se eu não tenho razão ao dizer que é estranhíssimo (para não dizer impossível) que, no mesmo grupo educacional, a universidade possa ser considerada sinônimo de porcaria para tantas pessoas, e a escola básica e o cursinho, uma ilha de excelência.

 

Como é que o Etapa e o Anglo só conseguem manter a qualidade restringindo-se a possuir três escolas cada na cidade inteira, e o Objetivo consegue fazê-lo em dezenas de escolas espalhadas pela cidade?

 

Essa é uma pergunta que eu faria para quem pergunta "mas não tem BoaProva aqui no meu bairro?" e, diante da negativa, diz "então não quero", caso estes não desligassem o telefone tão rapidamente. Vale dizer que o BoaProva sempre atuou em local de fácil acesso pela linha Verde do Metrô, e hoje está na av. Paulista.

 

Disputa pelos melhores estudantes provoca guerra publicitária de cursinhos

DA REPORTAGEM LOCAL (Fátima Fernandes)

A estudante Carolina Malhone, 18, passou em seis vestibulares de medicina neste ano. Optou pelo curso da USP, no qual conquistou a sexta colocação. O que poderia ser a maior alegria de sua vida transformou-se numa dor-de-cabeça para ela e para a família.

 

Carolina tem seu nome estampado -como segunda colocada na Unifesp (Universidade Federal de São Paulo)- em panfletos e cartazes do Objetivo espalhados pela cidade de São Paulo.

 

O fato é que a estudante fez cursinho no Etapa, não no Objetivo. Ela estudou sete anos no colégio Objetivo, no qual tinha 100% de bolsa por ser boa aluna. Mas, após concluir o colégio, em 2003, optou por fazer cursinho no Etapa, por ser próximo a sua residência.

 

"Autorizei o Objetivo a divulgar o nome de minha filha, sem foto, desde que destacasse que Carolina foi aluna do colégio Objetivo, não do cursinho", afirma Amarildo Malhone, pai da estudante.

 

A propaganda dá a entender que Carolina fez cursinho no Objetivo. O Etapa não gostou. As colegas do cursinho estranharam. A estudante encaminhou uma carta à direção do Etapa -com data do dia 11 de fevereiro de 2005- para se desculpar. "Gostaria, por meio desta carta, de esclarecer que não freqüentei nenhum curso pré-vestibular além do Etapa." O Objetivo informa que, no ano passado, Carolina participou de aulas de reforço no cursinho.

 

Caroline Coronado Cha, que aparece na publicidade do Objetivo como aluna do cursinho que entrou em primeiro lugar em medicina na Unifesp (Universidade Federal de São Paulo), estudou no Anglo, segundo informa esta escola. Procurada pela Folha, a estudante afirma que fez cursinho pela manhã no Anglo e aulas especiais no Objetivo à tarde.

 

O Anglo chegou a estampar um cartaz em suas unidades para informar aos alunos que a publicidade do Objetivo não era verdadeira. O Objetivo afirma que Caroline fez, sim, cursinho na escola.

 

O caso de Carolina e de Caroline ilustra a guerra que enfrentam os cursinhos pré-vestibulares para atrair alunos e colocá-los nas faculdades do país. Quanto mais aprovam, mais ganham posição no ranking de vagas preenchidas nas universidades. E essa é a melhor forma de atrair novos alunos.

 

Depois que acabam os vestibulares, os cursinhos checam nome por nome dos aprovados. Pelas contas do Objetivo, seus alunos já ocuparam cerca de 32% (incluindo a segunda chamada) das quase 10 mil vagas ofertadas pela Fuvest neste ano. O Anglo calcula participação de 25%, só contabilizando a lista de primeira chamada. O Etapa prefere não divulgar sua fatia. Considera que esse dado -cada cursinho calcula o seu- só interessa à instituição.

 

-------------

P.S.: Óbvio que quem tem mais alunos aprova mais. Taxa de participação nos aprovados, portanto, é um número que, isolado, é desprovido de significado. O Etapa, por exemplo, teria um percentual inferior aos demais, e, por esta razão, não o divulga. Assim o é com os outros pequenos cursinhos. Que sentido faria dizer que aprovei 8 alunos na Fuvest 2009, dos 10 mil aprovados? Taxa de participação de 0,08%?! Mais vale dizer que tive 23 alunos prestando Fuvest e aprovei 8, quase 35%. É esse o certo. Mas, é claro, isso não interessa aos grandes. Ganha mais o aluno que tem olho vivo e conhece as artimanhas dos números.

 

Encontro da semana santa BPSP

Como acertado com os alunos da Capital, teremos um plantão de dúvidas no feriado da Semana Santa.

 

Combinamos realizar o encontro no CCSP, o Centro Cultural São Paulo (rua Vergueiro, 1000, metrô Vergueiro).

 

Só que a biblioteca não abrirá.

 

Utilizaremos, assim, as mesas da parte externa.

 

O horário de funcionamento do CCSP na sexta-feira 10 de abril é das 10h às 17h, e esse será o horário em que estarei por lá.

 

Como há alunos em situação muito complicada em relação aos demais, é possível que eu esteja lá também no sábado, das 10h às 12h, para atender prioritariamente a eles.

 

O martelo será batido no sábado, dia 4 de abril.

 

Quase passou ileso, ministro!

Nesta madrugada, o programa É Notícia, da RedeTV!, entrevistou o ministro da Educação, Fernando Haddad.

 

É preciso reconhecer que este ministro está fazendo um trabalho de muita qualidade. E que entende do que fala e faz.

 

Tanto é verdade que manobrou com destreza o entrevistador, Kennedy Alencar, que atua prioritariamente no jornal Folha de S.Paulo, e alegou ter visão de leigo sobre o tema. Ponha visão de leigo nisso! Foram só clichês...

 

É realmente emocionante ver a expansão dos Ifets (Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia - os antigos Cefets) pelo país. Estive viajando pelo Espírito Santo em janeiro e vi o antigo Cefet-ES em Jucutuquara, Vitória, andando bem, assim como os novos edifícios em construção em Venda Nova do Imigrante, por exemplo. As universidades federais em franca expansão em todo o país, como os novos edifícios da Unifesp e da UFABC na Grande São Paulo, e na abertura de concursos toda semana, muitas vezes vários na mesma semana, para dezenas de novas vagas para professores e servidores não docentes.

 

Mas, voltando aos clichês da entrevista, Fernando Haddad também soltou o seu: segundo ele, o vestibular de hoje exigiria mais memorização do que o do seu tempo de estudante, há 30 anos.

 

Pode ter mudado pouco nas federais, é verdade. Mas, pior, isso ele não ficou.

 

Em muitas estaduais, especialmente nas paulistas e mais especialmente na Unicamp, o vestibular é muito digno. (Estou pensando nas provas, não nas cotas, bônus etc.) Ele seleciona pela capacidade de resolução de problemas, não pela memorização. É só ver que, em exatas, as fórmulas são dadas e a resolução passa por álgebra elementar, do ensino Fundamental, em parte bem significativa das questões. Nas federais, muitas se salvam, como UFSCar, UFG, UFMG...

 

Acreditar que o Enem atual avalia as competências e habilidades certas do aluno é mostrar profundo desconhecimento sobre como e por quem a prova é elaborada, e o consequente resultado final (já falamos disso em postagem anterior).

 

O ministro já falou que quer trocar os vestibulares por um novo modelo - disse no programa que haverá novidades ainda em 2009. A ideia é excelente, mas com a atual prova do Enem, ou seja, com esses elaboradores aí, com esse formato aí, com essa variação brutal de nível de dificuldade ano a ano, pode haver piora. E, se usaram um erro gráfico em apostilinha para derrubar a secretária de educação paulista (sendo que os problemas de sua gestão eram outros, infinitamente mais graves), imagine o que farão com o ministro e o seu Enem-Vestibular, se ele continuar repleto de erros conceituais, avaliação de competências inúteis ou distantes do programa do Ensino Médio!

 

Ele não merece cair por ter comprado uma briga que nem deveria ser de sua alçada.

 

Então, tanto melhor se se fizesse um estudo mais detalhado de como elaborar uma prova que seja realmente adequada para todos os estudantes do território nacional, com toda a sua diversidade, antes de se efetivar essa unificação. Com o Enem de hoje, não dá.

 

P.S: Fernando Haddad foi solicitado a dizer algo sobre o titular da pasta no governo FHC. Disse ter havido avanços significativos no primeiro mandato FHC (1995-1998), como o Provão, a nova LDB, o Fundef, mas quase nada no segundo (1999-2002). Posição honesta, justa com a realidade. Paulo Renato não quis bater de frente com os grandes (editoras, grupos educacionais), que era o esperado para o segundo mandato. Haddad tem feito isso, dentro do possível (talvez mais fosse possível), muito longe do ideal. Mas o ministro não foi perguntado sobre a tragédia que foi seu antecessor, já no governo Lula, Cristovam Buarque - veja que a entrevista não teve saia justa. Já quanto a termos Paulo Renato como secretário de Educação de Serra em São Paulo, parece que nada mudará. Aliás, foi o que declarou o próprio ex-ministro (veja no último link, acima). Que tristeza.

 

Pág. 1/4

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

subscrever feeds